segunda-feira, 11 de fevereiro de 2008

Palavra para a Semana (de Rick Joyner) nº 6

Ministérios MorningStar

O Exército de Deus se Mobiliza, Parte 6

por Rick Joyner

A igreja é chamada para ser a noiva de Cristo e juntamente um exército. À medida que nos aproximamos do fim deste tempo, começaremos a assumir mais da natureza e comportamento de ambos. Isso é difícil para muitos entenderem porque a noiva deve ser feminina, e a natureza marcial de um exército é mais masculina. No entanto, tomaremos ambas estas naturezas ao mesmo tempo, e isso fortalecerá grandemente a saúde e eficácia do corpo de Cristo.

Antes de seguir adiante nesta idéia, precisamos entender que homens são chamados para ser amantes e adoradores completamente entregues a Deus. Da mesma forma, as mulheres podem ser e estão entre os maiores guerreiros. Mesmo assim, uma estratégia básica do diabo é embaçar as distinções entre homens e mulheres, procurando fazer as mulheres serem homens e homens serem mulheres. Existem diferenças entre eles, e não se pode abrir mão delas. As grandes guerreiras femininas podem e ainda serão femininas. Os grandes adoradores masculinos podem e serão masculinos.

O que estou para compartilhar é uma generalização. Dessa forma, não é nem totalmente preciso nem preciso para todas as igrejas, mas, no presente momento, mesmo que a igreja seja liderada na maior parte por homens, a sua natureza é mais feminina. É por isso que mais de 70 por cento da igreja é composta por mulheres, e muitos dos homens que estão na igreja hoje não estão realmente conectados, em seus corações. Não é só que as mulheres tendem a ser mais espirituais que os homens, embora isso possa de fato ser o caso, mas a maioria dos homens simplesmente não se identifica com a igreja em sua forma presente, estão entediados com a mesma, ou simplesmente se sentem deslocados. Porém, à medida que a igreja assume mais da natureza marcial para a qual é chamada, os homens se arrebanharão de volta para a igreja.


À medida que a igreja começa a assumir mais de sua natureza marcial, a natureza feminina também crescerá enquanto a igreja se prepara para ser a noiva de Cristo, e isto manterá as coisas em equilíbrio. Assim como o Rei Davi foi um dos maiores guerreiros nas Escrituras, mas também um dos maiores adoradores, a igreja irá crescer em ambos estes aspectos. Eles se encaixarão perfeitamente assim como aconteceu com o Rei Davi. É por isso que iniciamos as Conferências de Adoração e Batalha [Worship and Warfare Conferences] muitos anos atrás, e elas ainda são uma das nossas conferências mais poderosas.

Tenho estudado o ramo militar e as estratégias militares por muitos anos porque me foi mostrado que o Corpo de Cristo no fim deste tempo se tornaria o exército que é chamado para ser. Como temos falado antes, Deus usa o termo “Senhor Todo-Poderoso” ou “Senhor dos Exércitos” dez vezes ou ainda mais que todos os seus outros títulos combinados. Ele é um Deus marcial, e devemos compreender esse aspecto de Sua natureza e como o Seu povo começará a se conformar a ele. Como isso se relaciona na prática é um assunto muito importante para os que serão preparados para os tempos.

Devemos entender que existem muitas formas pelas quais o comportamento marcial humano não é igual ao comportamento marcial de Deus. Como lemos em Isaías 55:8-9,
“Pois os meus pensamentos não são os seus pensamentos, nem os seus caminhos são os Meus caminhos”, declara o Senhor. “Pois como os céus são mais altos que a terra, da mesma forma os Meus caminhos são mais altos que os seus caminhos, e os Meus pensamentos mais altos que os seus”. A natureza marcial de Deus é muito mais alta que a natureza marcial do homem, mas também existem formas que elas são parecidas. Essas, também, precisamos entender.

Por exemplo, as formas que a nossa natureza marcial é diferente da que é do Senhor é que exércitos humanos são dedicados à destruição, e o exército de Deus é dedicado à construção. Soldados humanos são ensinados a como matar e tomar a vida de seus inimigos, enquanto que os soldados de Deus são ensinados a como dar vida e até mesmo entregar a sua própria vida para o bem de seus inimigos. Uma forma com que são parecidos é que ambos são construídos com base em disciplina, obediência, e a determinação de que quando for dado um objetivo, você paga o preço exigido para o cumprir.

Existem também semelhanças quanto a estratégias entre exércitos humanos e o exército de Deus. Uma é a estratégia militar mais básica chamada “concentração de forças”. Esta é a estratégia de se concentrar forças em um ponto na linha do inimigo para que haja uma ruptura. Uma vez que se realiza uma ruptura nas linhas, então o inimigo deve se retrair para impedir que as forças opositoras se adentrem em sua retaguarda, destruindo suas linhas de suprimento e rodeando suas tropas da linha de frente. Concentração de forças tem sido a estratégia militar de maior êxito, e a razão pelas vitórias militares mais decisivas na história.

Contrário a isso, na história militar a estratégia que tem sido a de menor êxito e tem freqüentemente levado a derrotas decisivas tem sido o esforço de procurar espalhar as forças e lutar a batalha em muitas frentes. Vamos aplicar isso agora de uma forma prática e pessoal.

A maioria de nós ainda tem algumas centenas de coisas erradas conosco que precisam ser reparadas. É estratégia do diabo procurar nos levar a tentar consertar a todas de uma vez. No entanto, assim como o Apóstolo Paulo escreveu, “mas uma coisa eu faço” (veja Filipenses 3:13). Se nos concentrássemos em uma ruptura em apenas uma área, provavelmente obteríamos uma vitória rápida e começaríamos a ver rupturas uma após outra vindo ao nos concentrarmos nelas. Em breve, qualquer ponto de contato que o inimigo ainda tivesse em nossa vida cederia.

Pensemos agora sobre como isso pode se relacionar com a igreja como um todo. No presente momento, a igreja está lutando batalhas em muitas frentes para se contar. O que aconteceria se começássemos a concentrar em apenas uma ou duas dessas áreas? Provavelmente obteríamos vitórias ligeiras e veríamos o início de grandes avanços. Agora mesmo a igreja está tão dividida que é difícil imaginar o tipo de unidade que isso exigiria, mas o alicerce para essa unidade está agora começando a se formar.

Devemos também considerar que se o inimigo está atacando em mais de uma frente, freqüentemente temos de lutar em mais de uma frente. No entanto, os Cristãos fariam bem em aprender dessas táticas e estratégias. Algumas das maiores vitórias na história militar foram obtidas por generais sábios, ignorando os ataques do inimigo e concentrando suas forças para atacar o inimigo em um lugar inesperado e de uma forma que não era esperada. Quando começarmos a mover de triunfo em triunfo da forma que devemos, não estaremos continuamente reagindo ao inimigo, mas seremos aqueles que impõem a agenda com os nossos ataques nas fortalezas do inimigo, e ele irá constantemente reagir a nós.

Primeiramente, devemos determinar que não iremos mais retroceder – não cederemos mais terreno ao inimigo, e vamos começar tomando território que foi perdido. Em muitos países, a igreja foi muito mais eficaz sendo o sal e luz que foi chamada para ser cinqüenta anos atrás do que está sendo agora. Não podemos mais ceder terras, e devemos retomar o que foi perdido. Devemos solidificar os ganhos, ocupando a terra tomada, e então seguir adiante.

Como nos é dito em Salmos 24:1, “A terra é do Senhor, e tudo o que nela há, o mundo e os que nele habitam”. O reino do Senhor virá à terra, e a Sua vontade será feita na terra, assim como é nos céus. Estamos aqui agora para ajudar a preparar o caminho para ele. Nosso objetivo principal deve ser grande, mas também devemos ser práticos e capazes de concentrar no próximo passo. É tempo de ver algumas vitórias. Quando a igreja começar se apossar de algumas rupturas e vitórias, os Cristãos serão erguidos em todo lugar, se ajuntarão em unidade, e combaterão o bom combate da fé.




[permissão para feliperudiuk@hotmail.com traduzir gentilmente concedida pelo ministério MorningStar]

Um comentário:

cassia disse...

Realmente não podemos comparar coisas espirituais com coisas de nossa mente natural.
O nosso maior inimigo ainda continua sendo o nosso EU. que insiste em tomar o lugar que é devido a Deus. Pois Deus nunca dividirá sua glória com o homem.
MAS CRISTO EM NÓS É A ESPERANÇA DA GLÓRIA!!! QUANDO MORREMOS PARA O NOSSO EGO E PASSAMOS A VIVER SOMENTE PARA A GLÓRIA DELE!
O reino de Deus está dentro de nós! Toda a vontade de Deus será feita na vida dos seus filhos, então o Reino de Deus é chegado!
Não existe homem e nem mulher, todos somos um em Cristo! Vivemos na perfeita unidade, temos um só pensamento, uma só fé e um só Espírito. Um grande abraço aos irmãos! Miriam