sábado, 27 de outubro de 2007

Palavra para a Semana (de Rick Joyner) nº 43

Ministérios MorningStar: Palavra para a Semana nº 43 (22 de Outubro de 2007)

Tomando a Terra, Parte C

por Rick Joyner

Semana passada, ao abordar como o Senhor refere a si mesmo como “o Senhor dos exércitos” mais de dez vezes que todos os seus outros títulos, Ele obviamente considera esse aspecto de Sua liderança como primordial para Seu propósito. Nós veremos esse aspecto se tornar primordial na igreja nos tempos que hão de vir, mas devemos sempre ter em mente que os caminhos do Senhor são mais altos que os nossos, e seu comportamento militar, de muitas formas, será diferente das formas do mundo.

Como já cobrimos o assunto antes, o Senhor é o Criador que ama a diversidade de tal forma que Ele mesmo faz cada floco de neve diferente um do outro. Mesmo assim, no ramo militar, a grande devoção e grande parte do treinamento é para haver uniformidade. Eles usam uniformes; aprendem a marchar em linha; e pilotos aprendem a voar em formação. Isso não parece estar em conflito básico com a devoção do Senhor à diversidade? De uma perspectiva mais baixa, humana, pode, mas não de uma perspectiva celestial, mais alta.

Se você observar seu jardim, cada grama nele é única sob alguns aspectos e uniforme com as outras em alguns aspectos. Se você se ajoelhar, poderá ver como cada grama tem um tamanho único, e até certo grau uma cor única, e outros aspectos que as diferenciam das outras gramas. Se você se levantar, ou olhar de uma perspectiva mais alta, parece mais uniforme.

Por anos, tenho gasto algum tempo estudando os militares dos EUA por causa da mudança radical pela qual estes passaram durante os anos 60. Em algumas coisas, é uma organização tão burocrática e tradicional, ao mesmo tempo que se tornou uma das forças militares mais inovadoras e criativas que já existiram. O ramo militar norte-americano não só lança mão de tecnologia moderna, mas a cria, freqüentemente indo anos, senão décadas, à frente do que se infiltra no mercado e na indústria.

Mesmo antes destes tempos, os maiores líderes militares da história sempre têm sido os mais criativos. Eles pensavam em novas estratégias e formas de usar as forças ou recursos a eles disponíveis que outros não haviam pensado a respeito. Esse foi o segredo do sucesso de Napoleão, que pensava “fora da caixa” [fora do padrão] como ninguém em seu tempo, e é ainda estudado provavelmente por toda força militar significativa no mundo hoje.

Os músicos e artistas verdadeiramente criativos são aqueles que conhecem tão bem os fundamentos e são tão disciplinados neles que podem neles dilatar sem gerar um caos, mas um nível mais alto de harmonia. Você poderá notar em toda área, inclusive esportes, negócios, e mesmo no ministério, que os de maior êxito, e os que podem ser os mais criativos, são os que fazem o que é básico melhor. Essa habilidade de conhecer o básico e o fazer bem e ao mesmo tempo ser capaz de pensar de forma criativa é verdadeiro especialmente para a liderança mais desafiadora de todas – liderança em tempos de transição.

Voltando para as três etapas de trabalho, que derivamos das três etapas dos tabernáculos e templos, a Etapa I é a etapa inicial de salvação onde o propósito é resgate básico. Essa seria a etapa de avivamento ou trabalho pioneiro em missões. Ela exige uma mentalidade especial que Deus deu apenas a alguns, embora quase todos queiram declarar a ter. Em operações de resgate em desastres, é aqui que você encontra maior parte do caos, mas também testemunha os milagres mais dramáticos, e portanto ficará mais entusiasmado.

Em termos militares, os operadores da Etapa I são os Fuzileiros Navais [Marines] que chegam às praias antes e as Forças Especiais que são deixadas atrás das linhas. Idealmente, essas tropas devem ser aliviadas após o território inicial invadido da praia ser tomado e estabelecido e da força principal ter pousado. Uma vez cumprindo seu objetivo, precisam ser tirados para fora, ter suas feridas saradas, ter as baixas repostas, e seu equipamento deve ser restaurado para que estejam prontos para ir novamente a uma operação de Etapa I.

As forças especiais como a Força Delta [maioria recrutada a partir do exército], Nany Seals [homens-rãs, marinha] e Controladores de Combate da Força Aérea podem ser alguns dos guerreiros mais eficazes do mundo em sua forma de combate, mas não são treinados para lutar nas trincheiras em operações padrão de combate e seriam desperdiçadas lá. Quando não estão em operações reais, vivem então para treinar a fim de esmerar suas habilidades mais e mais. Também são ensinados a serem criativos e inovadores, podendo ver e avaliar suas posições e as condições, assim como as do inimigo, para aproveitar toda vantagem e oportunidade o quanto antes.

Esse é um motivo pelo qual iniciamos nosso treinamento da Força Especial de Missões (SFM), e delas se formarão as nossas equipes SFM. Seu treinamento e emprego de recursos é muito especializado. Ao escrever isso, eles estão na selva na América Central. Ano que vem, acamparão em uma parte remota da África. Ao se desenvolverem, esperamos que possam se adentrar em quase qualquer situação, em qualquer lugar, e fazer o trabalho do ministério, salvando vidas e salvando almas.

O nosso treinamento SFM é muito mais desafiador fisicamente, mentalmente e espiritualmente que as nossas outras Escolas de Ministério pelas quais os nossos alunos passam, mas eles são um grupo especializado. Porém, os colocar em um pastoreio típico de igreja seria tolo. Nem eles ou a igreja sequer sobreviveria, provavelmente.

Da mesma forma, somente uma pequena porcentagem de nossos alunos sequer estariam qualificados para passar por esse tipo de treinamento, e teriam dificuldade em permanecer onde a nossa equipe SFM vai. Eu acho que os nossos formandos da Escola de Ministério poderiam se sair bem em operações de Etapa II ou III, mas devem dar seqüência para se especializar em um ou outro para dar serem mais frutíferos. Também esperamos que alguns das nossas pessoas do SFM façam transição para a Etapa II ou III no devido tempo, nas quais eu esperaria que eles trouxessem considerável criatividade e inovação.

Eu fui guiado pelo Senhor para estudar as Forças Especiais dos EUA, assim como todo o ramo militar, para uma compreensão de como a igreja será no tempo vindouro. Estou convicto de que foi o desenvolvimento de Forças Especiais que injetou uma devoção à excelência e padrões cada vez mais elevados que logo impactou todo o ramo militar. Agora, um recruta comum entrando no exército é provavelmente melhor treinado que Forças Especiais eram apenas algumas décadas atrás, e as Forças Especiais sempre estão se superando. O desenvolvimento de armas, táticas e estratégias estão mantendo o pique também. Veremos isso acontecer na igreja, que é, de algumas formas, uma enorme organização burocrática, impregnada de tradição.

Alguns dos maiores missionários Cristãos que já viveram estão provavelmente vivos e servindo hoje. Mesmo assim, em geral, entre 90 e 95 por cento de missões Cristãs são ou ineficazes ou contra-produtivas. Aquelas que estão fazendo algo produtivo são gerenciadas de maneira tão errada que estão normalmente dedicando 90 por cento de seus recursos ao que provavelmente está produzindo menos que 10% do fruto. Veja bem, essas são generalizações, e não são válidas para todos, mas em geral são verdadeiras. Isso deve e vai mudar.

Maioria dos missionários ineficazes provavelmente seriam muito mais eficazes se ficassem nos lugares corretos, servindo na etapa certa de ministério. Muitos que estão tentando ser de Etapa I foram criados para serem Etapa II ou III. Muitos estão tentando ser Etapa I, II e III todos ao mesmo tempo, e portanto não podem fazer nenhuma corretamente. Isso é o resultado de uma básica falta de coordenação dentro do corpo de Cristo, e será remediada somente quando chegarmos em unidade.

Um exemplo disso foi quando começamos a cavar poços na África. Rapidamente recebemos informação de que cerca de 5.000 foram cavados na região geral da África por outros ministérios e missões, mas somente uma pequena fração deles estavam ainda funcionando? Por quê? Porque ninguém os colocou em um programa de manutenção ou treinou as pessoas da localidade para os manter. Muitos não estavam mais funcionando devido à falta de uma peça de 5 dólares. Devemos ser gratos aos que tiveram a devoção de cavá-los em primeiro lugar, mas quão melhor seria se tivéssemos uma visão a longo prazo para eles e estabelecêssemos um cronograma básico de manutenção para os manter em funcionamento?

Isso foi simbólico quanto à forma que missões em geral foram feitas lá. A Etapa I, cavar o poço, foi feita de forma eficaz, mas não havia uma Etapa II, os estabelecendo e mantendo, esta jamais foi organizada. Então a Etapa III, a multiplicação por ensinar os que receberam um poço a aprender a cavar um, e ter os que receberam um poço aprender a como dar por abençoar seu próximo, pareceu não estar nos planos de ninguém.

As cruzadas na África são freqüentemente feitas da mesma forma. Milhões estão vindo a Cristo na África, algo sobre o qual todos devemos nos alegrar, mas quanto mais fruto duradouro haveria se apóstolos, profetas, pastores e mestres seguissem os grandes evangelistas em uma região e estabelecessem os crentes na fé?

Agora mesmo pastores de grandes igrejas na África têm somente um sermão, aquele que eles ouviram quando foram salvos, e é isso que eles pregam semana após semana. Graças ao Senhor por tamanha fidelidade, mas com a abundância de grandes mestres no Ocidente nós devemos ser capazes de ajudar a estabelecer algumas das melhores escolas de ministério do mundo, em qualquer lugar do mundo. Neste momento maior parte deste ensinamento apenas vai para os que já têm demais!

Muito disso irá rapidamente mudar porque posturas territoriais e possessivas que têm prevalecido sobre muitos ramos da igreja estão sendo rompidas. Líderes maduros estão sendo erguidos que têm segurança o suficiente para não serem ameaçados pelos que são diferentes deles, mas estão começando a reconhecer o quanto as diferenças se complementam ao invés de se conflitar. Existem moveres de Etapa I, Etapa II e Etapa III no corpo de Cristo, e se começarem a trabalhar juntos, se tornarão a força mais poderosa e eficaz no planeta. Lembre-se, unidade não apenas aumenta a nossa autoridade, mas a multiplica, como foi prometido que um poderia fazer mil baterem em retirada, mas dois fariam dez mil em baterem em retirada.

Não temos nada a perder e tudo a ganhar unificando sob um Cabeça, que é o Cristo. Os primeiros a fazerem isso receberão as maiores recompensas. Porquê esperar? O que podemos fazer essa semana para trazer intercambio, aumentando a confiança, e aumentando a unidade na igreja? Uma coisa que tenho procurado fazer por muitos anos é ao menos fazer uma coisas cada semana para ajudar a trazer unidade na igreja. Algumas vezes é tentando apresentar ministérios diferentes uns aos outros – algumas vezes é escrevendo cartas de apresentação. Recebo mesas redondas e convido pessoas de diferentes vertentes para falar na mesma conferencia, etc., mas se isso foi uma das coisas de maior importância no coração do Senhor, então quero manter isso como um dos principais propósitos em meu coração. Também percebi que quanto mais faço isso, mais isso encoraja outros a fazer o mesmo. O que aconteceria se todos nós começássemos a promover a unidade na igreja? Alguém irá fazer isso – por quê não nós?

[permissão para felipeworld@hotmail.com traduzir gentilmente concedida pelo ministério MorningStar]

2 comentários:

Priscila disse...

Oi Felipe! Gostei muito desses artigos são edificantes e nos abrem a visão, faz-nos voar mais alto e de lá observar-mos o Reino de forma diferenciada. A visão estratégica e a comparação com o militarismo, que foi algo revelado de Deus para o Rick, é tremendo! Estou muito curiosa, empolgada e interessada em saber mais sobre, e ler o livro A Batalha Final. Já vi até os preços de venda do livro. Ler é uma das coisas que mais gosto fazer. Aprecio muito a boa leitura! Gostei muito do BLOG e de agora em diante procurarei acompanhar as palavras semanais. Que O Senhor Jesus abençoe sua vida e seu ministério!ESTOU ORANDO POR VOCÊ! És muito especial para O Senhor! Até mais ver soldado do Reino de Deus! Bjs
Ass.: Soldado do Reino de Deus PRISCILA

Alexandre disse...

Muito interessante
Ate por que fui soldado
caraka isso tudo bate com
o Reino de DEUS e isso mesmo
Felipe muito Obrigadu por manda
essas lindas palavras me fas ser
um Verdadeiro combatente que vai
a luta sabendo que no final terei
uma vitoria certa um grande abraço
a Paz Mano...